"If you always do what interests you, at least one person is pleased" Katharine Hepburn

Vaidade?! O meu Pecado favorito... Lux


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Me, Myself and I


Dei por mim ontem, durante uma aula, a divagar sobre as máscaras que usamos, mais propriamente sobre as máscaras que uso.
A vida tem tanto de simples como de complicada dependendo da forma como a quisermos ver.
A velha questão do copo meio cheio ou meio vazio...

Apercebi-me que, com o passar dos anos o número de máscaras que tenho foi aumentando.
E vou variando diariamente de máscara.
Sei que no trabalho uso a máscara da pessoa que tem sempre um sorriso grande e bem disposto, naturalmente para as pessoas de quem gosto, mas mais propositadamente para as pessoas que não gostam de mim e, pouco a pouco tentam destruir-me.
Tentam diariamente arranjar motivos para me pôr para baixo, ao nível delas e à sua infelicidade.
Pena não conseguirem... Vivo demasiadamente bem comigo própria para tal.
No entanto, por vezes ouço tantas barbaridades dirigidas à minha pessoa que, mesmo fingindo que não ouço e por consequência, não respondo à maioria das provocações, mantenho para essas pessoas em particular sempre um sorriso especial.
Por vezes respondo... Com educação e normalmente com a minha máscara de "burra", assim como quem não percebeu muito bem onde queriam chegar.

Depois temos as pessoas que nos tentam atingir directamente através do nosso trabalho.
E se há algo que eu não admito que ponham em causa é o meu profissionalismo.
Mesmo assim, quando algo me é apontado, defendo-me, explico e mesmo sabendo que o fazem propositadamente para denegrir o meu trabalho, como raramente deixo pontas soltas, acabo sempre por ter uma justificação para quase tudo bem como já estou munida de provas, datas e factos que levaram a determinadas situações e opções.
São armas de defesa... Aqui uso a minha melhor máscara de profissional responsável e sempre acompanhada por um sorriso para quem me anda aqui a tentar denegrir.

Quando saio, na faculdade, com a cabeça por vezes completamente aos papos do dia de trabalho, mantenho a máscara de bem-disposta.
Afinal, os outros não têm culpa dos meus problemas fora da faculdade.

Quando vou às compras, por muito aborrecida que esteja com qualquer coisa, acabo inconscientemente por usar outra máscara...

Se encontro família e amigos e se tenho algum problema, temos mais uma máscara... A de que está tudo bem por todos os lados e só estou mesmo com "aquela" cara porque ando cansada.
Normalmente acreditam.

Mas, e como tudo na vida tem um mas, os meus pais e os meus padrinhos (como já disse não faço distinção entre eles) deitam tudo por terra.
Use a máscara que usar basta o meu olhar para perceberem que não se trata só de cançaso.
É aqui que tenho a maior dificuldade em manter uma máscara para não os preocupar com coisas pequeninas.

E ao fim do dia, quando chego a casa e sou recebida alegremente pelas minhas gatas, sinto-me grata...
Vou retirar a maquiagem e ao mesmo tempo tiro qualquer máscara.
Olho ao espelho e o que vejo sou simplesmente eu.
Uma pessoa que por muitas máscaras que use, em especial no trabalho, todas elas têm um fundamento de um sorriso porque no fundo sou assim... Feliz!
Com os meus momentos naturalmente (por vezes cai a máscara e choro), mas normalmente feliz, de bem comigo própria e por consequência com o mundo.

E enfim, pode ser por vezes cansativo ter que, diariamente, conjugar não só a roupa que vou vestir como a máscara que vou usar.
Mas a vida não é fácil.
Aliás, viver é fácil, saber viver é que já é mais difícil.
Mas com o tempo aprende-se e as máscaras não passam mesmo de uma armadura para que nos atirem as setas que quiserem provocando o menor número de danos colaterais possível.

xoxo
Lux

9 comentários:

Fashionista disse...

adorei o texto! A vida é assim e nem sempre é fácil!

Verita disse...

Muito bem dito e muito bem escrito. Às vezes era mais fácil podermos dizer claramente o que sentimos e o que nos vai na alma, sem ter que omitir a verdade porque a pessoa que nos ouve não tem nada a ver com isso, ou não saberia como lidar, ou porque simplesmente não queremos partilhar e chatear o outro com os nossos problemas....às vezes era mais fácil dizer, não não estou bem!

Just a Lady disse...

Também costumo ser meio assim, não ligo ao que dizem, para quê? Poucos sabem como sou, só dou confiança a quem a merece. Mantenho-me uma pessoa confiante (às vezes), e quem me tenta deitar abaixo é porque tem inveja, simples, mas só nós é que sabemos a vida que temos, que nem sempre é fácil =/
Beijinhos*

Nokas disse...

Realmente hoje estamos em sintonia...

Turista disse...

Querida Lux, muito bom, este teu texto! Mas o que interessa, apesar de todas as máscaras, é o seres uma pessoa feliz.

(entre)saias disse...

Ás vezes cansa-me pensar na roupa que uso.. Mas máscaras, tenho só uma, talvez por isso é que não se aproximam muitas pessoas de mim.
Sou assim, se gosto de uma pessoa demonstro e tem aqui uma amiga, se a pessoa não me diz nada, não me aproximo.. Nem me interessa o contacto.
Também em aulas, dei por mim a pensar numa colega de turma e que em 3 anos só este ano é que falei com ela.
É estranho, mas assim não uso máscaras.
Bom fim-de-semana**

eu-sou-eu disse...

Identifiquei-me bastante com este post. Eu também sou assim, tenho diferentes máscaras, que uso diariamente. E raras são as pessoas que percebem que eu não estou bem, mesmo quando eu digo que estou. São raras, muito raras. Sou boa a esconder sentimentos...

Palavra Já Perdida disse...

Identifico-me bastante com este post. Pelo menos tens consciência das máscaras que usas e o porquê. E como é preciso tê-las à mão. **

Shiine* disse...

Identifico-me. Não acredito que haja alguém que não precise de máscaras. E, máscaras não significa ser-se falso, significa saber-se adequar as situações, pessoas, e momentos. Beijinho